…desejando que a plenitude de sua vida seja reformada!

Série “Reforma para hoje”: Sola Scriptura – Parte 1

Imagem

Sola Scriptura parte 1 (Sl 119.1 – 16; 25 – 40; 65 – 72)

Depois da introdução, como eu já havia exposto, irei fazer uma exposição do Salmo 119. Não irei falar muito, justamente pelo fato de a passagem já ser extensa demais, irei apenas expor a mensagem que é passada.

Vamos ver o que cada versículo (ou passagem) nos diz sobre a importância e o papel das Escrituras na nossa vida, e tentar aplicá-la à nossa vida.

Exposição do Salmo 119:

  • “Bem-aventurados os irrepreensíveis no seu caminho, que andam na lei do SENHOR” (Sl 119.1).

– As Escrituras contêm o caminho que devemos seguir, as atitudes que devemos praticar, a Lei pela qual devemos obedecer e viver.

– Os que seguem a Bíblia de forma correta são bem-aventurados, felizes.

– Aplicação: Devemos estudar incessantemente as Escrituras, com o fim de conhecer a perfeita Lei de Deus, e viver de acordo com o que é prescrito. Devemos pedir a graça de Deus, para que nós vivamos de acordo com a Sua Lei.

  • “​Bem-aventurados os que guardam as suas prescrições e o buscam de todo o coração; não praticam iniquidade e andam nos seus caminhos” (Sl 119.2,3).

– Não só os que seguem a Bíblia de forma correta são bem-aventurados, mas também os que a buscam de todo o coração. “De todo o coração” significa “de um modo sincero, não hipócrita”.

– Não são apenas os que seguem o que está prescrito na Bíblia que são bem-aventurados, mas também os que não seguem o que não é prescrito (não praticam iniquidade).

– Vemos que, além de incluir os aspectos positivos do versículo 1, são adicionados aspectos negativos.

– É uma exortação de que, além de nós termos que realizar o que é prescrito, devemos deixar de realizar o que não é prescrito. É uma lembrança de que, nas Escrituras, tem mais “nãoS” do que “simS”.

– Aplicação: Devemos observar se, enquanto estamos buscando fazer boas-obras de acordo com as Escrituras, estamos deixando de fazer as más-obras, ou, de acordo com o apóstolo Paulo, as “obras de justiça”. Pode parecer uma coisa lógica não fazer o que não é prescrito e fazer o que é prescrito, porém, vemos hoje pessoas buscando fazer tudo o que é correto não querendo deixar de fazer o que não é correto.

  • “Tu ordenaste os Teus mandamentos, para que os cumpramos à risca. Tomara sejam firmes os meus passos, para que eu observe os Teus preceitos. Então, não terei de que me envergonhar, quando considerar em todos os teus mandamentos” (Sl 119.4 – 6).

– O autor das Escrituras é Deus, e o objetivo de Ele ter colocado tanto mandamentos é para que eles sejam cumpridos à risca.

– Em temor, o salmista anseia por seguir à risca os mandamentos, observando corretamente os preceitos.

– O salmista deixará de ter vergonha apenas quando cumprir, de fato, todos os mandamentos de Deus.

– Aplicação: Devemos sempre lembrar de que o autor das Escrituras é Deus, e somente Deus, e, se obedecemos ou desobedecemos algo que está prescrito nas Escrituras, nós obedecemos ou desobedecemos a Deus. Portanto, devemos ter temor a Deus, tendo a consciência de que o pecado é transgressão diretamente contra Ele. Por causa desse temor, ansiemos por permanecer firme nos preceitos divinos. Devemos sentir vergonha por pecar, sentir nojo pelo pecado, e ansiarmos por santificação.

  • “Render-te-ei graças com integridade de coração, quando tiver aprendido os teus retos juízos. Cumprirei os Teus decretos; não me desampares jamais” (Sl 119.7,8).

– Só haverá alguma prática com integridade de coração a Deus quando houver verdadeiro conhecimento das Escrituras, vindo do Espírito Santo.

– Só haverá alguma boa obra se houver conhecimento das Escrituras.

– O clamor “Não me desampares” deixa explícita a necessidade que o salmista demonstra a Deus. A obra de Deus é necessária para que o salmista entenda as Escrituras de forma correta.

– Aplicação: Devemos buscar de Deus o conhecimento das Escrituras, estudando incessantemente e orando. Devemos entender que só haverá, de fato, um conhecimento verdadeiro das Escrituras quando o Espírito Santo agir e nos ensinar. Não há revelação sem a “Revelatura” (Espírito Santo).

  • “De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a Tua Palavra” (Sl 119.9).

– Não há outro meio de um jovem ser puro sem que haja a observância constante da Palavra de Deus.

– Aplicação: Devemos se somos jovens, estudar e buscar as Escrituras, orar pedindo a iluminação do Espírito Santo, para que sejamos mais puros. Sem isso, é impossível que permaneçamos fiéis a Deus.

  • “De todo o coração Te busquei; não me deixes fugir aos Teus mandamentos” (Sl 119.10).

– Mesmo buscando a Deus de todo o coração, o salmista reconhece que, sem a ação sobrenatural de Deus, ele não conseguirá permanecer firme nos mandamentos.

– Aplicação: Devemos buscar a Deus de todo o nosso coração, SIM, porém, devemos reconhecer que só o Espírito Santo pode perseverar na nossa fé. Só pela influência direta de Deus podemos praticar boas obras.

  • “Guardo no coração as Tuas palavras, para não pecar contra Ti” (Sl 119.11).

– Só se consegue deixar de pecar, se guardar no coração as Palavras de Deus, ou seja, guardar “a Lei de Deus na memória como se ela fosse um tesouro” (Bíblia de Estudo de Genebra).

– Aplicação: Devemos buscar memorizarmos a Palavra de Deus, para guardarmos, de fato, ela no nosso coração. Isso faz com que a memória seja o nosso melhor teólogo (como dizia os teólogos da segunda escolástica). Guardando a Palavra no nosso coração, conseguiremos nos policiar.

  • “Bendito és Tu, Senhor; ensina-me os Teus preceitos” (Sl 119.12).

– O salmista não perde tempo para adorar a Deus, mesmo falando das Escrituras.

– O salmista expôs, até agora, que necessitava aprender os preceitos de Deus, mas agora, ele redireciona a responsabilidade de ensinar os preceitos para Deus. Sem Deus, não há conhecimento das Escrituras. Por isso que o salmista clama, “ensina-me os Teus preceitos”.

– Aplicação: Devemos adorar a Deus a todo o momento, como o salmista adora a Deus em meio de um tema diferente. Devemos reconhecer que, mesmo tendo que buscar incessantemente, mediante estudo intenso e meditação, o conhecimento das Escrituras, só Deus pode nos ensinar, de fato. Sem a influência direta dEle, não há conhecimento escriturístico.

  • “Com os lábios tenho narrado todos os juízos da tua boca” (Sl 119.13).

– O salmista conserva a prática de pregação constante.

– Aplicação: Devemos ter em mente que se não pregamos a Palavra, estamos totalmente desconexos com a verdade pela qual nós vivemos. O “viver” a Palavra inclui expor ela, sempre, não de vez em quando. Oremos para que nós cultivemos um desejo e prática constantes de evangelização e pregação.

  • “Mais me regozijo com o caminho dos Teus testemunhos do que com todas as riquezas” (Sl 119.14)

– O salmista deixa bem claro que a única satisfação dele é para com a Palavra de Deus. Para deixar isso mais intenso no salmo, o salmista mostra que se alegra mais com a Palavra do que com TODAS as riquezas.

– Aplicação: Devemos entender que nenhuma benção material é mais importante do que a Verdade. Se observarmos como recebemos a benção da salvação, reconheceremos que a Palavra é um bem mais precioso do que qualquer bem material existente. Oremos para que o valor dado à Palavra de Deus seja adequado.

  • “Meditarei nos Teus preceitos e às Tuas veredas terei respeito. Terei prazer nos Teus decretos; não me esquecerei da Tua Palavra” (Sl 119.15,16).

– O salmista promete meditar, respeitar, se alegrar e se lembrar da Palavra de Deus sempre.

– A meditação nada mais é do que estudar ela constantemente. Ter um momento em que a única coisa na nossa mente seja a Palavra de Deus.

– Respeitar significa dar o devido valor à Palavra, amar a Palavra, desejar conhecê-la a fundo.

– Se alegrar significa se satisfazer APENAS com o conhecimento da Palavra de Deus.

– Se lembrar da Palavra significa memorizá-la. Isso acaba sendo uma necessidade para a meditação.

– Aplicação: Devemos estudar a Palavra constantemente, desejando estudá-la, amando-a, desejando conhecê-la a fundo, dando o valor que lhe é devida, buscar se satisfazer nela, e memorizá-la. A própria passagem já é uma exortação prática, falando que o que o salmista estava fazendo era o que todo o cristão deveria fazer.

  • “A minha alma está apegada ao pó; vivifica-me segundo a Tua Palavra” (Sl 119.25).

– O salmista entende a morte que habita nele.

– O salmista tem a consciência que só pode ser vivificado de acordo com a Palavra de Deus.

– Aplicação: Vemos que o homem, sem a transmissão da Palavra, está totalmente “apegado ao pó”. Temos que ter em mente isso ao pensarmos sobre evangelização. Não pode haver evangelização sem transmitir a mensagem da depravação total do homem e da necessidade de se pregar evangelho para a Salvação.

  • “Eu Te expus os meus caminhos, e Tu me valeste; ensina-me os Teus decretos. Faze-me atinar com o caminho dos Teus preceitos, e meditarei nas Tuas maravilhas” (Sl 119.26, 27).

– O salmista demonstra preocupação quanto a seus caminhos, e os expôs a Deus.

– Deus respondeu (valeste, no original Íanah, que significa “responder”) ao salmista, e por fim, o salmista pede para que Ele ensine a Palavra dEle.

– Aplicação: Devemos tirar nossa máscara para Deus, expondo o que pensamos, onde pecamos, o que precisamos melhorar, tendo a consciência de que a resposta de Deus vem mediante a Sua Palavra.

  • “A minha alma, de tristeza, verte lágrimas; fortalece-me segundo a Tua Palavra” (Sl 119.28).

– O salmista expôs a tristeza que estava dentro de seu coração a Deus.

– Pede-se fortalecimento, mas segundo a Palavra de Deus.

– Aplicação: Devemos expor a nossa situação, seja ela qual for, a Deus. Devemos entender que o nosso único fortalecimento vem da Palavra de Deus. É importante nós termos isso em mente, pois, atualmente, há uma onda de psicologia no meio do aconselhamento cristão. A PSICOLOGIA NÃO PODE SER A BASE PARA O ACONSELHAMENTO CRISTÃO, E SIM, A BÍBLIA.

  • “Afasta de mim o caminho da falsidade e favorece-me com a Tua Lei. Escolhi o caminho da fidelidade e decidi-me pelos Teus juízos” (Sl 119.29, 30).

– O salmista pede que Deus não permita que ele se aproxime da falsidade. Isso é interessante, pois expressa-se a pendência ao pecado do homem natural.

– Pede-se o favorecimento de Deus de acordo com a Lei. Isso é uma figuração, ou uma citação literal da justificação.

– Um versículo (29) desemboca no outro (30), pois, como consequência da graça de Deus de não permitir que a falsidade se aproxime do salmista e de imputar justiça nele, este escolhe seguir a Palavra de Deus. Tudo começa com a intervenção da graça de Deus.

– Aplicação: Devemos pedir a Deus que não permita que nós, seres pecadores, nos aproximemos de qualquer coisa que nos atraia ou nos lembre do pecado. Há a necessidade de termos em mente que somos totalmente dependentes do favorecimento divino, da justificação dada pela graça. Se tivermos consciência da obra de Deus na nossa vida, devemos seguir a Palavra de Deus.

  • “Aos Teus testemunhos me apego; Não permitas, Senhor, seja eu envergonhado” (Sl 119.31).

– O salmista não só obedece a Palavra de Deus, mas também se apega a ela. A palavra “apego”, nessa situação, pode significar várias coisas que tenham a ver com “colar” ou “grudar”, mas creio que, nessa passagem, seja ideal a interpretação de “unir-se a”. O salmista se torna um com a Palavra, no sentido de agir completamente de acordo com o que é prescrito nas Escrituras.

– Novamente, vemos o salmista demonstrando a incapacidade de realizar boas obras e obedecer aos mandamentos divinos sem que haja uma intervenção divina.

– Aplicação: Devemos “ser um” com a Palavra, no sentido de que façamos tudo o que está prescrito. Não devemos nos acomodar com obedecer à parte da Escritura. Porém, nunca nos esquecermos de orar a Deus, pedindo graça para que isso seja possível. Sem a graça de Deus não há obediência, não há boas obras.

  • “Percorrerei o caminho dos Teus mandamentos, quando me alegrares o coração” (Sl 119.32).

– Só haverá obediência à Palavra quando Deus agir diretamente no coração. A palavra “alegrares”, que é o termo “rachab”, significa “alargar-se, ampliar”, e pode ser usado como “aliviar-se”. Ou seja, quando Deus aliviar o coração.

– Aplicação: Depender de Deus sempre, e reconhecer que, se obedecemos a Palavra corretamente, é por causa de Deus apenas, é porque Deus realizou a obra no nosso coração antes.

  • “Ensina-me, Senhor, o caminho dos Teus decretos, e os seguirei até o fim. Dá-me entendimento, e guardarei a Tua Lei; de todo o coração a cumprirei. Guia-me pela vereda dos Teus mandamentos, pois nela me comprazo” (Sl 119.33 – 35).

– Observa-se que, eu tudo referente à obediência da Lei, o salmista depende, antes de tudo, do ensinamento, da graça do entendimento, do direcionamento de Deus.

– Aplicação: A mesma que antes, só que de um modo mais intenso e extenso. DEPENDÂMOS DE DEUS SEMPRE, e confirmemos isso com nossa vida.

  • “Inclina-me o coração aos Teus testemunhos, e não à cobiça. Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no Teu caminho” (Sl 119.36, 37).

– É necessário que haja intervenção divina tanto na salvação quanto na santificação. Só Deus pode nos afastar do pecado, pois, se depender de nós, o pecado será constante.

– O salmista mostra que só haverá santificação quando houver inclinação dele para a Palavra de Deus.

A Palavra de Deus é oposta ao pecado, ou seja, se nos inclinamos para a Palavra, consequentemente nos afastamos da prática do pecado.

Aplicação: Novamente, devemos procurar sempre demonstrar dependência de Deus, tanto para sermos salvos quanto para sermos santificados. Busquemos o conhecimento das Escrituras, para não nos inclinarmos para o pecado.

  • “Confirma ao Teu servo a Tua promessa feita aos que Te temem. Afasta de mim o opróbrio, que temo, porque os Teus juízos são bons. Eis que tenho suspirado pelos Teus preceitos; vivifica-me por Tua justiça” (Sl 119.38 – 40).

– O salmista anseia pela confirmação da Palavra de Deus, mais especificamente, pelo cumprimento das promessas feitas por Deus, que são imutáveis. Essa promessa nos faz lembrar-se da promessa da redenção do Messias. Nunca nos esqueçamos disso: CRISTO É O CENTRO DE TODA A BÍBLIA.

– A desobediência da Lei é temida pelo salmista, que reconhece a perfeição da Palavra de Deus. A palavra “opróbrio” (“cherpah”) significa “reprovação”, ou seja, desobediência.

– O salmista anseia incessantemente pela obediência à Palavra de Deus, anela por ela.

– Reconhece-se que só se pode ser vivificado através da Justiça divina, ou seja, justificação.

– Aplicação: Devemos nos lembrar de que o cumprimento maior da Palavra de Deus é a redenção de Cristo por pecadores. A obediência da Palavra deve ter prioridade na nossa vida, porém, não devemos nos esquecer de repugnarmos a desobediência dela. Devemos entender que, antes de sermos justificados, necessitávamos de ser vivificados, não havia meios pelos quais nós conseguiríamos obter justiça, mas necessitávamos de ser justos para não sofrermos condenação eterna. Baseando-se nisso, entendemos que a salvação, sem a justificação proporcionada pelo sacrifício vicário de Cristo, não seria possível.

  • “Tens feito bem ao Teu servo, Senhor, segundo a Tua Palavra. Ensina-me bom juízo e conhecimento, pois creio nos Teus mandamentos. Antes de ser afligido, andava errado, mas agora guardo a Tua Palavra” (Sl 119.65 – 67).

– Reconhece-se que Deus tem feito o bem, segundo o que prometeu. Essa passagem confirma a fidelidade e imutabilidade de Deus, cumprindo, de fato, o que prometeu.

– O salmista pede mais conhecimento e sabedoria (bom juízo). Ele percebe que a “escola” em que havia aprendido mais era a aflição, e ele expõe isso, demonstrando que, não importa como, ele desejava de fato o que estava pedindo.

– Aplicação: Reconheçamos o que Deus tem feito e fez em nós, a graça, a salvação, TUDO. Não sejamos cristãos com mal de Alzheimer, sejamos agradecidos em toda a obra de Deus na nossa vida, principalmente aquelas em que nosso “eu” é atacado, e Ele é glorificado. Busquemos também cada vez mais conhecimento da Palavra de Deus, e discernimento, não importa como recebamos isso, pois, que nem o salmista, devemos reconhecer que a melhor escola para aprender algo é, muitas vezes, a aflição.

  • “Tu és bom e fazes o bem; ensina-me os Teus decretos” (Sl 119.68).

– Reconhece-se a soberana bondade e benignidade de Deus.

– O salmista, para não perder a mania, deixa registrado o desejo de aprender as ordenanças divinas.

– Aplicação: Reconheçamos que Deus é bom e faz o bem em tudo. Tudo o que acontece é fruto de Deus, e Deus é bom em tudo o que faz, inclusive na condenação ao pecado. Devemos adorar a Deus em tudo, porém, nunca esquecendo que sempre temos mais para aprender, mais do que imaginamos.

  • “Os soberbos têm forjado mentiras contra mim; não obstante, eu guardo de todo o coração os Teus preceitos. Tornou-se-lhes o coração insensível, como se fosse sebo; mas eu me comprazo na Tua Lei. Foi-me bom ter eu passado pela aflição, para que aprendesse os Teus decretos” (Sl 119.69 – 71).

– Em toda a passagem é explicito que, não importa qual a situação, a Palavra de Deus continua sendo o foco do salmista.

– A aflição foi importante para que o salmista aprendesse os decretos de Deus.

– Aplicação: Nunca devemos mudar nosso anseio pelas Escrituras. Mesmo que haja algum momento difícil, o salmista nos ensina que isso só mais um motivo para agradecer, por poder aprender os decretos divinos.

  • “Para mim vale mais a Lei que procede de Tua boca do que milhares de ouro ou de prata” (Sl 119.72).

– É uma das sentenças mais incríveis da Bíblia, que falam sobre qual deveria ser o valor das Escrituras para nós.

– Aplicação: Não há muito o que falar, pois o versículo fala por si mesmo. BUSQUEMOS, AMEMOS, ANSIEMOS PELA PALAVRA DE DEUS, MAIS DO QUE OURO E PRATA.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s